Até uma rede social voltada a quem busca por sexo, a sexlog, resolveu ficar atenta à inclusão.
Bala NO farol, duas empreendedoras, Kica de Castro e Selma Rodeguero, foram responsáveis por arregimentar e preparar os modelos que desfilam e se apresentam na feira.
O primeiro bar temático de erotismo do Brasil já possui milhares de clientes, que foram seduzidos pela atmosfera sexy sem ser vulgar do Valen, composta por gastronomia afrodisíaca, decoração inspirada, arte erótica e interações sacanas.Incrementam a lista de atrações palestras, debates, apresentações de stand-up comedy com os humoristas Nizo Neto e Helio de La Peña, pole dance, concurso de beleza plus vivi malandrinha buceta size e transexual, além de shows com os funkeiros. (Veja Rio/Reprodução tudo sobre feira sexo chat_bubble_outline more_horiz).Consumo, com produtos inusitados e atrações apimentadas, Sexy Fair se beneficia de um setor que não conhece crise.Publicidade, uma maneira inusitada e apimentada de promover inclusão teve início nesta sexta (1) em São Paulo.Pelo menos.300 usuários declaram ter algum tipo de deficiência.Segundo Kika, quanto mais seus modelos e recepcionistas chamarem a atenção, melhor.Em uma área à parte, os visitantes poderão experimentar uma verdadeira quermesse erótica, com várias brincadeiras.
Pessoas com deficiência estão recepcionando o público e participando de performances sensuais em uma feira voltada ao erotismo, em um centro de eventos na zona norte.
No evento também há estandes de fotografias sensuais voltadas à exploração da diversidade, de filmes eróticos protagonizados por pessoas com deficiência e produtos sensuais voltados ao público acima do peso ideal.
Gondomar, fechar, jN de Hoje.O casal Ribeiro e seus produtos religiosos são parte do pacote de atrações da Sexy Fair, evento erótico que é alardeado por seus organizadores como o maior do ramo em todo o país."A melhor maneira de se quebrar o preconceito é levando informação ao público.A emissora declarou que está investigando esse incidente.Pessoa com deficiência pode estar na passarela, fazer publicidade, vender um produto.Nossa plataforma permite que qualquer um entre e manifeste seu jeito de ser livremente diz Mayumi Sato, diretora de marketing da rede.Os palestrantes João e Lídia Ribeiro vão falar para cerca de uma centena de pessoas sobre um tema, no mínimo, curioso: Produtos eróticos na era da revolução sexual cristã.Erótico, eros Porto, salão Erótico, duas dezenas de guarda-chuvas vermelhos percorreram, pela mão dos artistas do Salão Erótico, a Exponor, no Porto, para chamar a atenção pelos direitos dos trabalhadores do sexo."Celebramos a sensualidade e isso não tem nada a ver com perfeição de corpos."Não dá mais para pensar que pessoa com deficiência só vai estar vendendo bala no farol ou só em clínica de reabilitação.


[L_RANDNUM-10-999]